Lugares confiáveis para comprar e vender altcoins, como o Ethereum, não são fáceis de encontrar.

Pensando nisso, o objetivo deste artigo é falar sobre os principais exchanges nacionais e internacionais. Além, é claro, de fazer uma boa explicação introdutória ao Ethereum e suas melhores carteiras.

Um conhecimento básico sobre Blockchain é bem-vindo para se aprofundar no texto.

Caso o tema ainda seja novidade, leia esse Guia da Blockchain antes de continuar.

 

O que é e para que serve o Ethereum?

De forma simples, Ethereum é uma plataforma de software aberta baseado na tecnología Blockchain que permite aos desenvolvedores criar e desenvolver novas aplicações descentralizadas.

Ethereum não é apenas uma “criptomoeda”, mas sim uma plataforma aberta de software baseada na tecnologia Blockchain.

O Ether, que é o token da Blockchain Ethereum usado como criptomoeda, é uma das várias facetas dessa versátil plataforma.

Você também pode encontrar o termo Altcoin, que é a abreviação de – alternative coins – nome dado às criptomoedas que surgiram como alternativa ao Bitcoin.

A aplicação como criptomoeda é a mais conhecida do Ethereum, mas é importante lembrar que vai um pouco além disso, ok?

Para entender completamente as possibilidades da tecnologia Ethereum veja este inforgráfico!

Qual a semelhança entre Ethereum e Bitcoin?

Na verdade, é mais apropriado falarmos de diferenças e não de semelhanças, apesar de que ela existe.

Assim como Bitcoin, Ethereum também é uma rede Blockchain distribuída.

Mas as semelhanças param por aí, haja visto as diferenças técnicas e filosóficas serem significativas.

O mais importante é perceber que as duas se diferem fundamentalmente quanto ao propósito e à capacidade.

De forma breve, Bitcoin é uma aplicação particular da tecnologia Blockchain, que é um sistema peer-2-peer(ponto a ponto) de transações digitais.

Saiba mais sobre como funciona o Bitcoin aqui!

Se por um lado a Blockchain do Bitcoin é usado para rastrear as transações e caracterizar a posse dos balanços de cada carteira, a Ethereum foca em oferecer uma solução de programação para qualquer tipo de aplicação descentralizada.

Na Blockchain Ethereum, os blocos minerados são chamados de Ether.

Assim, os miners trabalham para ganhar Ether, que é um tipo de token criptografado que abastece a rede.

Além de ser usada uma moeda digital, o Ether também é usado por desenvolvedores de aplicações e softwares para pagar transações na rede Ethereum.

A flexibilidade oferecida pela rede Ethereum reside no fato de que ela permite que desenvolvedores criem qualquer tipo de aplicação que eles queiram.

O que significa que a rede pode ser usada para outras atividades que não as transações de pagamentos via criptomoeda.

A importância da Máquina Virtual Ethereum

Caso você ainda esteja em dúvida sobre “como assim desenvolver outras aplicações”, vamos explicar melhor agora.

Veja, no início da Blockchain, a tecnologia era usada para realizar um número bem limitado de atividades.

Por exemplo, Bitcoin e outras criptomoedas foram desenvolvidas exclusivamente para operar como moedas digitais de transações ponto a ponto.

Os desenvolvedores tinham um problema sério!

Se você quisesse desenvolver uma nova aplicação para a Blockchain, como adicionar novas funções oferecidas pelo Bitcoin, por exemplo, a tarefa era extremamente complicada e dispendiosa em termos de tempo e recursos.

A outra opção, que seria desenvolver uma Blockchain específica para uma nova aplicação, digamos, uma plataforma para votação digital, também era extremamente custosa.

Daí surgiu a ideia central do Ethereum, a EVM – Ethereum Virtual Machine (qualquer semelhança com a Java Virtual Machine não é coincidência).

Trata-se de um software desenvolvido exclusivamente para permitir que programadores possam desenvolver novas aplicações para a Blockchain Ethereum usando qualquer linguagem de programação, e mesmo integrar programas já prontos escritos em qualquer  linguagem.

Assim, a EVM tornou o processo de criar aplicações Blockchain muito mais fácil e eficiente, essa foi a grande sacada.

Agora, vamos mudar o foco para a criptomoeda, que é a faceta mais conhecida da rede Ethereum.

Nas próximas seções falaremos das principais carteiras e exchanges usadas por esse Altcoin.

Quais são as exchanges nacionais que vendem Eth?

Corretoras nacionais para Ethereum não são muitas.

Na verdade, as plataformas em português que encontramos basicamente eram de corretoras internacionais com atividades no Brasil.

As principais são:

 

A Brazilex é a que chega mais perto de ser nacional, e também a com melhor base de dados em português.

A Alfacashier possui site em espanhol, e não é tão intuitiva quanto os outros sites com versão em português.

Sugerimos navegar pelas quatro opções para sentir melhor qual é mais intuitiva para você.

Quais são as exchanges internacionais que vendem Eth?

As exchanges internacionais são bastante numerosas e há muita informação sobre elas na internet. Aqui reunimos um top 10 das principais opções.

Cada exchange tem pontos fortes e fracos.

A dica é procurar por uma plataforma que você realmente entenda e que de preferência possua transações na sua moeda principal.

Exchanges para Ethereum é o que não falta, e provavelmente o número só vai aumentar com o tempo.

Vamos ao top 10 (a ordem é meramente organizativa):

  1. Coinbase;
  2. Poloniex;
  3. Gdax;
  4. Bitfinex;
  5. Kraken;
  6. Bitrex;
  7. Cex.io;
  8. Chbtcc;
  9. Bter;
  10. YoBit;

 

Falar qual é a melhor para você é difícil pois depende do seu nível de conhecimento em criptomoedas e sua familiaridade com o mercado.

No entanto, essas 10 opções são já bastante consolidadas e possuem muitas informações e avaliações disponíveis.

Quais são as melhores wallets para guardar Eth?

Pensando nas carteiras disponíveis em 2017, reunimos um top 7 baseado nos seguintes critérios, que são fatores importantes para uma carteira ser considerada boa e segura:

  • Chaves secretas: Carteiras onde você tenha controle de suas chaves privadas;
  • Fácil de usar(ou pelo menos que não seja muito difícil);
  • Possui uma comunidade de desenvolvedores ativa;
  • Ferramentas de Backup e segurança;
  • Compatibilidade com diferentes sistemas operacionais;

 

Pensando nesses aspectos, ótimas opções são:

  1. LedgerNanoS (hardware);
  2. Trezor (hardware);
  3. Exodus (desktop);
  4. Jaxx (Desktop);
  5. Mist (Desktop);
  6. Keepkey (hardware);
  7. Metamask (desktop);

Repare que existem carteiras para desktop e hardware, e há também carteiras online, que são menos recomendadas por questões de segurança.

Para conhecer melhor o que é uma carteira eletrônica e como usá-las, leia esse artigo (o foco é em Bitcoin, mas as informações são válidas para outras criptomoedas).

Ficou alguma dúvida, fale conosco nos comentários que responderemos rapidamente!